Comissão Nacional da Verdade pede que estrada em SC permaneça com o nome de Paulo Stuart Wright

Para a CNV, retirar a homenagem a Wright é “despropositada”

A Comissão Nacional da Verdade comunicou hoje o presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Gelson Merísio, que o veto do governador Raimundo Colombo ao projeto de lei 199/2011 deve ser mantido pela casa legislativa.

Pelo projeto de lei 199/2011, aprovado em julho pela Alesc, a rodovia SC-414, conhecida popularmente como Variante, teria seu nome alterado de Paulo Stuart Wright para Francisco Leopoldo Fleith.

Após forte pressão popular, o governador rejeitou em agosto a mudança do nome da rodovia aprovado pela assembleia, vetando o projeto.

Entretanto, a Alesc pode, a qualquer momento, pautar o veto do governador e derrubá-lo.

Informada da situação por representantes da sociedade civil catarinense, a CNV deliberou por unanimidade que o veto governamental à mudança do nome da cidade deve ser mantido.

Segundo ofício remetido pelo coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Claudio Fonteles, para Merisio, “a alteração do nome da Rodovia Paulo Stuart Wright é cabalmente despropositada”.

“O olvido (esquecimento) de pessoa que se empenhou, com a própria vida, em defesa de valores da Democracia gravemente compromete a formação da sociedade brasileira, que se quer sempre livre, jamais abafada pela truculência das soluções ditatoriais”, afirma o documento da CNV (leia a íntegra).

QUEM É WRIGHT – Natural de Joaçaba, Santa Catarina, Paulo Stuart Wright era filho de missionários presbiterianos. Após viver cinco anos nos Estados Unidos, ele retornou ao Brasil para não lutar na Guerra da Coreia. Aqui, após um período em São Paulo, retornou ao estado natal onde fundou cooperativas de pescadores e se elegeu deputado estadual.

Em 1964, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina o cassou supostamente pelo fato de não usar gravata nas sessões. Após a cassação, ele foi viver no México e, anos depois, retornou ao país, onde foi um dos organizadores da Ação Popular no sul do país, militando na clandestinidade até ser preso, em 1973, por agentes do Doi-Codi de São Paulo. Está desaparecido até hoje.

Paulo é irmão do pastor Jaime Wright, que, junto com o cardeal Paulo Evaristo Arns, organizou a capitalização de recursos que resultou no relatório “Brasil: Nunca Mais”, primeiro documento a denunciar ao grande público as torturas e assassinatos praticados pelo regime.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Comissão Nacional da Verdade

Anúncios

Sobre trincheiravirtual

Até a vitória, sempre!
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s